DOSSIÊ SÓ PARA ASSINANTES: texto aberto ao público

Observe a seleção de conteúdo que a Folha faz para assinantes:
Abaixo, a versão ABERTA AO PÚBLICO, até mesmo para quem não contribui pra sobrevivência do jornal,
com seu rico dinheirinho.
É evidente o corte ideológico realizado na notícia. Observe como a seleção dos dados incrimina o PT
(depois compare com a versão completa, só para assinantes, no próximo post):

05/06/2010-05h13
Jornalista e delegado são pivôs de intriga do dossiê

DE BRASÍLIA

Publicidade

Hoje na Folha No final da tarde de 20 de abril passado, uma terça-feira, cinco pessoas se reuniram para uma conversa no tradicional restaurante alemão Fritz, na quadra 404 da Asa Sul, em Brasília. Comandava a mesa Luiz Lanzetta, dono da Lanza Comunicação, empresa responsável pela contratação da maioria dos integrantes da assessoria de imprensa da pré-candidata do PT à presidência, Dilma Rousseff.

Também estava lá o jornalista Amaury Ribeiro Júnior, que investigou por anos o processo de privatização brasileiro iniciado nos anos do governo FHC (1995-2002).

Completavam a mesa o delegado aposentado da Polícia Federal Onésimo de Souza e dois servidores públicos aposentados da chamada “comunidade de informação”, que trabalham com ele. O encontro fora marcado por Lanzetta para tentar contratar Onésimo e sua equipe.

A reportagem completa está disponível na íntegra para assinantes da Folha e do UOL.

A ideia era investigar os funcionários de uma das sedes do comando da campanha dilmista. A demanda incluía averiguar se quem circulava no local mantinha algum tipo de relação com integrantes do PSDB e da campanha tucana a presidente encabeçada por José Serra.

A Folha apurou que Onésimo sugeriu um orçamento de R$ 180 mil para executar o serviço. O valor não foi aprovado pelo QG de Dilma. A conversa resultou inócua, mas o encontro vazou.

Na semana iniciada em 2 de maio, integrantes do PSDB souberam que a campanha de Dilma estaria montando uma equipe de “inteligência” -com o objetivo, deduziram, de espionar Serra.

Leia a reportagem completa na Folha deste sábado, que já está nas bancas.

Anúncios

Sobre CCBregaMim

Classe média. Não sai da gente. Mas melhora, se a gente estiver disposta a abandonar nosso lugar na opressão.
Esse post foi publicado em MANIFESTO. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s