As aventuras do Careca: Fábula de um país imaginário, de Idelber Avelar

As aventuras do Careca: Fábula de um país imaginário

por Idelber Avelar no Biscoito fino e a massa

– Rapaz, eu te falei que esse negócio dos nossos jornais não darem uma linha sobre a história era burrada. A imprensa inteira fazendo o maior auê e a gente dando manchete sobre o aumento da poluição em BH? Foi bandeira demais. Os caras só seguiram a pista.

– Eu disse ao Alvim. Era só repetir a ladainha “o aparelhamento da Receita, o Estado policial, patati patatá”. Mas não. Ficaram no silêncio, deu no que deu. Ficou óbvio demais.

– Uso do cachimbo deixa a boca torta.

– Pois é.

– O negócio já estava agourado lá atrás, quando o Ecim bateu na namorada. Pô, tá achando que Copacabana é Barão de Cocais? Lá vaza mesmo. A moça lá da Folha que é dona da boate contou, mas não deu nome nenhum.

– Quem deu?

– Aquele jornalista lá, do futebol.

– Por que o cara fez isso?

– Ele vive afogado em processos, o Ric o odeia.

– O Rick o está processando também?

– Não, sua besta, esse é outro Ric, o do futebol!

– Ah, sei. Mas o que tem a ver?

– É que o Ric é chapa do Ecim.

– Isso aí foi antes ou depois daquele recado do careca, o pó pará?

– Depois. O Ecim já sabia que o chumbo era grosso. Mas aí o Ecim já estava com a galera nossa aqui, já tinha chamado o Yruama. Quando o careca descobriu que o Rick estava processando o Yruama, endoidou. Ele é feio e desengoçado, burro ele não é. Mas aí Inês já era morta, tinha que continuar com a ladainha de que era o partido dos barbudos. Como réu, o Yruama tinha acesso aos autos. Imagina, o Yruama, repórter, macaco velho, com aquela papelada toda. O sujeito até salivou. Um franguinho assado no colo.

– O que tem na papelada?

– Toda a história de Lilliput nos anos 90. Como venderam tudo, as negociatas, tudim, tudim. O careca entrou em pânico.

– O lance é que o careca tentando fingir de indignado não convence nem minha vovozinha. É mais fácil ele aprender a dançar forró que se fingir ultrajado. Aí fodeu mesmo.

– Mas o plano não era incriminar o partido dos barbudos com o material do Yruama, aproveitando que era sigiloso?

– Tentaram. Foram lá em Brasília com aquele delegado. O sargentão estava lá também. Não conseguiram nem um aloprado pra arrastar.

– Mas a Óia não deu a matéria assim mesmo, dizendo que era o partido dos barbudos?

– Os caras foram lá, mas a história era tão fantasiosa que nem o Quaresma achou que dava pra vender.

– Mas a matéria saiu.

– Saiu, porque ali sacumé. Até o cruzamento da mandioca com o rinoceronte eles já inventaram.

– E aí, o que rolou?

– A matéria saiu na internet num sábado. Veio o domingo e nada de repercussão. Veio a segunda, nada. Não sei o que rolou na segunda, mas na terça A Esfera entrou solando, publicou matéria repercutindo. O rapaz da Folha até contou que eles nem iam pegar essa história, era vexame demais, mas como A Esfera já tinha publicado, eles tinham que seguir.

– Nem com a matéria eles conseguiram algum bobo do partido dos barbudos pra pegar um dado sigiloso e depois ser incriminado?

– Nem um. Filhos da puta. Os barbudos estão ficando espertos.

– Como é que eles descobrem a relação disso tudo aí com a cidade do Visconde?

– Internet, meu filho. Lilliput em 2010 não é Lilliput em 1989. Não sei quem foi, mas às 15 h o trem já estava pegando fogo na internet.

– Qual foi a besta quadrada que saiu da reunião dizendo “a internet já descobriu que foi o Ecim”?

– Não sei quem foi, mas vazou isso também.

– Como é que está Ecim?

– Ecim está tranquilo. Agora, o careca está em pânico.

– E o nosso esquemão aqui?

– Complicado. Descobriram as matérias clandestinas feitas à noite aqui, pra não sair no jornal e vazar pra outros.

– Como descobriram? Porra, estamos no oitavo andar!

– A meia dúzia de quarteirões do Ecim. Eu já te falei, Lilliput em 2010 não é Lilliput em 1989.

– Como se chama este bairro aqui?

– Bairro da Serra.

– Avenida Getúlio Vargas no bairro da Serra?

– Eu sei, pode rir.

– E o careca agora?

– Ficou doidão. Não pode revelar o esquema, começou a brigar com os blogs.

– Blogs?

– É uma turma suja que escreve na Internet.

– O cara quer governar Lilliput e está brigando com os blogs?

– Desespero, mô fio. O Ecim é que é esperto. O careca odeia o Ecim até mais que ele odeia o barbudão. Do barbudão ele tem é inveja.

– E o barbudão?

– Estava lá em Porto Alegre quando vazou tudo. Sendo beijado pelo povo, aquela nojeira.

– Tem perigo disso sair na imprensa?

– Tem não. Morrem de medo, rabo preso, sacumé. O lance é que dá na mesma, está todo mundo migrando pra internet.

– O Yruama está se cuidando?

– Aquele ali é doido de pedra. Você sabe, ele voltou pra Minas depois que levou aquele tiro em Brasília.

– Nosso esquemão aqui sobrevive?

– Claro. Minas é tranquilo.

– Então a mulher vai ganhar mesmo?

– De lavada.

– E o careca?

– Se fodeu.

– Acho que é até melhor pra nós.

– Com certeza.

– O careca ficou sozinho então?

– Ficou sozinho.

Sobre CCBregaMim

Classe média. Não sai da gente. Mas melhora, se a gente estiver disposta a abandonar nosso lugar na opressão.
Esse post foi publicado em INTERPRETAÇÃO, literatura, MANIFESTO e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s