o que aconteceu na USP entre estudantes e a polícia

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

RELATO DE UMA ESTUDANTE DA USP

Estudante afirma: nem destruição, nem Molotov na ocupação da USP

 

A reintegração de posse da reitoria da USP, ocupada por estudantes que reivindicavam o fim do convênio da universidade com a PM, tem gerado grande controvérsia nos meios de comunicação. A grande imprensa majoritariamente se refere aos estudantes como vândalos, baderneiros e maconheiros. Em meio a ataques e poucos relatos reais de como e o que aconteceu na terça-feira (8), destaca-se o depoimento da estudante de jornalismo da USP, Shayene Metri, postado no seu Facebook.


Mesmo sendo contrária à ocupação da reitoria e aos métodos utilizados pelos estudantes, Shayene, descreve a truculenta ação da polícia e revela: não havia coquetel Molotov na ocupação, nem quebradeira, tampouco a reintegração foi realizada de forma pacífica, como propaga a imprensa: “não havia nada quebrado, depredado ou destruído dentro da tão requisitada reitoria (a única marca deles eram as pichações). A ocupação era organizada, eles estavam divididos em vários núcleos e tinham medidas pra preservar o ambiente. Aliás, nada de Molotov”.


Segue a íntegra do depoimento:

Cheguei à USP às 3h da manhã, com um amigo da sala. Ia começar o nosso “plantão” do Jornal do Campus. Outros dois amigos já estavam lá. A ideia era passar a madrugada lá na reitoria, ou pelas redondezas: 1) para entender melhor a ocupação, conhecer e poder escrever melhor sobre isso tudo; 2) para estarmos lá caso a PM realmente aparecesse para dar um fim à ocupação.

Conversa vai, conversa vem. O tempo da madrugava passava enquanto ficávamos lá fora, na frente da reitoria, conversando com alunos da ocupação. Alguns com posicionamentos bem definidos (ou inflexíveis), outros duvidando até das próprias atitudes. A questão é: os alunos estavam lá e queriam chamar atenção para a causa (ou as causas, ou nenhuma causa)… E, por enquanto, era só. Não havia nada quebrado, depredado ou destruído dentro da tão requisitada reitoria (a única marca deles eram as pichações). A ocupação era organizada, eles estavam divididos em vários núcleos e tinham medidas pra preservar o ambiente. Aliás, nada de Molotov.

Mais conversa foi jogada fora, a fogueira que aquecia se apagou várias vezes e eu levantei a pergunta pra alguns deles: e se a PM realmente aparecesse lá logo mais? Seria um tiro no pé dela? Ela sairia como herói? Os poucos que conversavam comigo (eram uns 4, além dos amigos da minha sala) ficaram divididos. “Do jeito que a mídia está passando as coisas, eles vão sair como heróis de novo”, disse um. “Se ele vierem vai ter confronto e isso já vai ser um tiro no pé deles”, disse outra. Mas, numa coisa eles concordavam: poucos acreditavam que a PM realmente ia aparecer.

Eu achava que a PM ia aparecer e muito provavelmente isso que me fez ficar acordada lá. Não demorou muito e, pronto, muita coisa aconteceu. A partir daí, meu relato pode ficar confuso, acho que ainda não vou conseguir organizar tudo que eu vi hoje, 08 de novembro.

A PM entra na reitoria

Muitos PMs chegaram, saindo de carros, motos, ônibus, caminhões. Apareceram helicópteros e cavalaria. Nem eu e, acredito, nem a maior parte dos presentes já tinha visto tanto policial em ação. Estávamos em cinco pessoas na frente da reitoria. Dois estudantes que faziam parte da ocupação, eu e mais dois amigos da minha sala, que também estavam lá por causa do JC. Assim que a PM chegou, tudo foi muito rápido: os alunos da ocupação que estavam com a gente sugeriram: “Corram!”, enquanto voltavam para dentro da reitoria. Os dois amigos que estavam comigo correram para longe da reitoria, onde a imprensa ainda estava se posicionando para o show. Eu, sabe-se lá por qual motivo, joguei a minha bolsa para um dos meninos da minha sala e voltei correndo para frente da reitoria, no meio dos policiais que avançavam para o Portão principal [e único] da ocupação.

Tentei tirar fotos e gravar vídeos de uma PM que estava sendo violenta com o nada, para nada. Os policiais quebravam as cadeiras no caminho, faziam questão do barulho, da demonstração da força. Os crafts com avisos dos estudantes, frases e poemas eram rasgados, uma espécie de símbolo. Enquanto tudo isso acontecia, parte da PM impedia a imprensa de chegar perto da área, impedindo que os repórteres vissem tudo isso. Voltando para confusão onde eu tinha me enfiado: os PMs arrombaram a porta principal, entraram (um grupo de mais ou menos 30, eu acho) e, logo em seguida, fecharam o portão. Trancaram-se dentro da reitoria com os alunos. Coisa boa não era.

Depois disso, o outro grupo de PMs, que impedia a mídia de se aproximar dessas cenas que eu contei , foi abrindo espaço. Quer dizer, não só abrindo espaço, mas também começando (ou fortalecendo) uma boa camaradagem para os repórteres que lá estavam atrás de cenas fortes e certezas.

“Me sigam para cá que vai acontecer um negócio bom pra filmar ali agora”, disse um dos militares para a enxurrada de “jornalistas”.

Espetáculo para jornalistas

A cena era um terceiro grupo de PMs, arrombando um segunda porta da reitoria, sob a desculpa de que queriam entrar. O repórter da Globo me perguntou (fui pra perto deles depois da confusão em que me meti com os policiais no início): “os PMs já entraram, não? Por que eles tão tentando por aqui também?”. Respondi: “sim, já entraram. E provavelmente estão fazendo essa cena pra vocês terem algum espetáculo pra filmar”.

A palhaçada organizada pelos policiais e alimentada pelos repórteres que lá estavam continuou por algumas horas. A imprensa ia contornando a reitoria, na esperança de alguma cena forte. Enquanto isso, PM e alunos estavam juntos, dentro da Reitoria, sem ninguém de fora poder ver ou ouvir o que se passava por lá. Quem tentasse entrar ou enxergar algo que se passava lá na Reitoria, dava de cara com os escudos da tropa de choque, até o fim.

Enquanto amanhecia, universitários a favor da ocupação, ou contra a PM ou simplesmente contra toda a violência que estava escancarada iam chegando. Os alunos pediam para entrar na reitoria. Eu pedia para entrar na reitoria. Tudo que todo mundo queria era saber o que realmente estava acontecendo lá dentro. A PM não levava os estudantes da ocupação para fora e o pedido de todo mundo era “queremos algo às claras”. Por que ninguém pode entrar? Por que ninguém pode sair?

Enquanto os alunos que estavam do lado de fora clamavam para entrar, ouvi de um grupo de repórteres (entre eles, um do SBT): “Não vamos filmar essas baboseiras dos maconheiros não! O que eles pedem não merece aparecer”. Entre risadas, pra não perder o bom humor. Além dos repórteres que já haviam decidido o que era verdade ou não, noticiável ou não, tinham pessoas misturadas a eles, gritando contra os estudantes, xingando. Eu mesma ouvi muitas e boas como “maconheirazinha”, “raça de merda” e “marginais”.

Os estudantes que enfrentavam, de verdade, os policiais que faziam a ‘corrente’ em torno da reitoria, eram levados para dentro. Em questões de segundos, um estudante sumia da minha frente e era levado pra dentro do cerco. Para sabe-se lá o que.

Estudantes detidos

Lá pras 7h30, depois de muito choro, puxões e algumas escudadas na cara, comecei a ver que os PMs estavam levando os estudantes da ocupação para dentro dos ônibus. Uma menina foi levada de maneira truculenta, essa foi a única coisa que meu 1,60m de altura conseguiu ver por trás de uma corrente da tropa de choque. Enquanto eu tentava entrar no cerco, para entender a história, a grande mídia já estava lá dentro. Fui conversar com um militar, explicar do JC. Ouvi em troca “ai, é um jornal da usp. De estudantes, não pode. Complica”.

Os ônibus com os alunos presos saíram da USP. Uma quantidade imensa de outros alunos gritavam contra a PM. Eu e os dois amigos da minha sala (aqueles da madrugada) pegamos o carro e fomos para a DP.

Na DP, o sistema era o mesmo e meu cansaço e raiva só estavam maiores. Enjôo e dor de cabeça. Era o meu corpo reagindo a tudo que eu vi pela manhã. Os alunos saiam de 5 em 5 do ônibus para dentro da DP. Jornalistas amontoados. Familiares chegando. Alunos presos no ônibus, sem água, sem banheiro, sem comida, mas com calor. Pelo menos por umas 3h foi assim.

Enquanto a ficha caia e eu revisualizava todo o horror da reintegração de posse, outras pessoas da minha sala mandavam mensagens para gente, de como a grande imprensa estava cobrindo o caso. Um ato pacífico, né Globo? Não foi bem isso o que eu vi, nem o que o JC viu, nem o que centenas de estudantes presenciaram.

Ato injustificável

Enfim, sou contra a ocupação. Sempre tive várias críticas ao Movimento Estudantil desde que entrei na USP. Nunca aceitei a partidarização do Movimento Estudantil. Me decepciono com a falta de propostas efetivas e com as discussões ultrapassadas da maioria das assembléias. Mas, nada, nada mesmo, justifica o que ocorreu hoje. Nada pode ser explicação pra violência gratuita, pro abuso do poder e, principalmente, pela desumanização da PM.

Não costumo me envolver com discussões do Movimento Estudantil, divulgar textos ou participar ativamente de algo político do meio universitário. Mas, como poucos realmente sabem o que aconteceu hoje (e eu acredito que muita coisa vai ser distorcida a partir de agora, por todos os lados), achei que valeria a pena escrever esse texto. Taí o que eu vi.

“>Shayene Metri em seu Facebook

Anúncios

Sobre CCBregaMim

Classe média. Não sai da gente. Mas melhora, se a gente estiver disposta a abandonar nosso lugar na opressão.
Esse post foi publicado em informação necessária e marcado , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

4 respostas para o que aconteceu na USP entre estudantes e a polícia

  1. fabiana almeida disse:

    Estes são os futuros profissionais do país? Rebeldes sem causa que fazem apologia ao uso de maconha, depredam patrimônio público que nós pagamos com impostos…Ridículos. Aposto que muitos nem trabalham e vivem na dependência do papai. Quer fazer manifesto então aproveitem a oportunidade que muitos não conseguiram de estudar em universidade e aprendam algo inteligente. Quer fumar maconha, então fuma na sala da sua casa na frente dos seus pais que não educaram vcs.

  2. Everton disse:

    Isaac acredito que você esta precisando rever os fatos, pois este seu pensamento esta cheirando ditadura, repressão militar, controle, e convenhamos, universidade é lugar de produção de conhecimento e não de presença de policia. A problemática da Usp é muito complexa para reduzirmos ao caso da maconha. Têm questões administrativas, enfim, precisamos investigar mais…

  3. CCBregaMim disse:

    é justamente disso que se trata, Isaac:
    “as informações que a sociedade tem” ..
    é preciso estar atento à manipulação da mídia!
    quanto à atuação da polícia,
    por favor leia o maierovitch:

    https://vaiencarar.wordpress.com/2011/11/08/policia-na-usp-mostra-a-policia/

  4. Isaac C Novais disse:

    Primeiro seu relato vai contra as imagens de alunos depredadando cameras que é patrimônio público. Não vi nenhum policial lá.Vi sim alunos mascarados e cobertos os rostos numa total afronta à Constituição federal que veda o anonimato, sendo permitida as manifestações. Aliás uma atuação parecidissima com organizações crimninosas, especialmente no Rio de Janeiro e presídios que cobrem os rostos para não serem descobertos.
    Segundo: os alunos conversaram em audiênciacom um Juiz de Direito (formado possivelmente pela Faculdade do Largo São Francisco -USP ) que determinou a desocupação. Não foi a Policia que determinou a desocupação, mas um juiz de direito, reconhecendo a ilegaldiade da ocupação da reitoria.
    Ele mesmo determinou que a PM usasse a força caso os alunos desrespeitasse a decisão judicial.
    As informações que a sociedade tem vão contra sua informação pois sabe-se que os alunos esperavam e queriam o confronto de forma mais intensa mas foram surpreendidos na madrugada e não tiveram reação alguma para causar o tão sonhado clamor público.
    Tudo o que os alunos fizeram no campus são crimes e como qualquer cidadão devem responder pelo que fizeram.
    Mascarados, rostos encobertos, quebra de cameras (dano ao patrimônio), pichações (crime ambiental) e o mais grave de todos desobediência à ordem judicial.
    Eles não são santos não. Fazer politica pode ser feita de outra forma. A sociedade não aceita mais este tipó de postura.
    Que respondam por seus crimes e processos administrativos por seus atos
    E cá pra nós o uso da força policial é uma atividade legitima. Pra quem depredou e arrebentou tudo não deve chorar pelo uso da força policial
    Levar ao DP é legal e esperar também. Todo cidadão espéra em DP porque não os alunos que cometeram crimes?
    Vão chorar na cama que é lugar quente. Paguem a fiança os danos causados à sociedade e não ao governo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s