SABER

Quando ouço e vejo, passo a saber das coisas.

Saber que a violência presente nos noticiários se reproduz na vida cotidiana de todas as pessoas por meio do preconceito e da resignação.

Quando enxergamos, sentimos necessidade de mudar as coisas. Não podemos deixar que o sofrimento tome conta de tudo. O trabalho excessivo e sem autoria produz sofrimento. As dívidas produzem sofrimento. A doença, resultado de uma vida estressante, industrializada e insustentável, produz sofrimento.

Ouvir é reconhecer nos outros, parentes, amigos, conhecidos ou desconhecidos, o sofrimento. Identifico-me com o outro em seu sofrimento, posso comprendê-lo.

Saber é inquietação. Não suporto a realidade porque é injusta e opressora. Faz as pessoas sofrerem.

Quanto mais escuto e vejo, mais escuto e vejo. O saber provoca mais saber. Percebo os preconceitos que impedem a comunicação, que mantém a situação social intocada, que maltratam sempre as mesmas pessoas. Mas, se eu estiver mesmo disponível ao saber, se minha curiosidade tomar conta de mim, inevitavelmente terei que me voltar a mim mesmo, a mim mesma. O combate ao preconceito tem início na autocrítica.

O saber é responsabilidade. Saber não é suficiente, não muda nada, não transforma. É preciso que eu me comprometa com o meu saber até a última raiz de meus cabelos, de minha sensibilidade. Apenas a minha ação poderá transformar algo na realidade. Saber é necessidade de agir.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s